Adriana Calcanhotto grava 'Margem' quando show voltar a aportar no Rio

Registro audiovisual do espetáculo marinho está programado para 14 de dezembro. Adriana Calcanhotto escolheu a cidade do Rio de Janeiro (RJ) para fazer o registro audiovisual do show Margem. A gravação será feita em 14 de dezembro, quando o espetáculo aportar na Grande Sala da Cidade das Artes.
Em cena desde agosto de 2019, o último show da trilogia marinha da artista já ultrapassou inclusive os mares do Brasil, tendo sido apresentado neste mês de outubro nos Estados Unidos, de onde parte para a Europa.
O roteiro inclui Futuros amantes (Chico Buarque, 1993), música gravada pela cantora para ser faixa-bônus da edição japonesa do álbum Margem, lançado no Brasil em junho. O disco, aliás, originou o show. Mas o espetáculo Margem balança em onda diferente.
Adriana Calcanhotto está em cena desde agosto de 2019 com o show ‘Margem’
Murilo Alvesso / Divulgação
Com a palavra, Calcanhotto, capitã da embarcação tripulada pelos músicos Bem Gil (guitarra e synth), Bruno Di Lullo (baixo e synth) e Rafael Rocha (mpc, bateria, percussão, Handsonic e assovio): “No primeiro ensaio olhei para a banda e falei ‘vamos fazer um luau’. Esse foi o primeiro sentimento. Luaus dependem da força do vento, do tempo que ele sopra numa só direção, da maré, e esse show é assim; completamente dependente do mar. Com os ensaios, porém, fui percebendo que o emaranhado de textos do roteiro, que tem muitos ecos e referências literárias, foi se superpondo à ideia de luau, que é a princípio menos complexo. Os arquétipos marinhos foram dando as caras, a meu ver em função da sonoridade que alcançamos tocando juntos tanto tempo depois das gravações do disco. O som do show não quis ser o som do disco, o universo timbrístico teve que se expandir pra conter as canções da trilogia e mais as outras todas, e isso era previsto, mas o som do show resultou mais relaxado, mais vagabundo. Interessante foi notar as ligações que as canções começaram a fazer entre si independentemente da minha ação. De certa forma, fui observando o roteiro se fazer a si próprio, maneira inteiramente nova pra mim de conceber um espetáculo”, relata Adriana Calcanhotto.
Fonte: G1