Reprodução/Internet

O governador Mauro Mendes (DEM) assinou ontem o contrato de empréstimo de US$ 250 milhões com o Banco Mundial. O valor será usado para quitar a dívida com o Bank Of America, contraída em 2012, durante a gestão de Silval Barbosa.

Reprodução/Internet

A medida é apontada pelo governador como fundamental para o equilíbrio das contas do Estado a curto e médio prazo. Somente neste ano, o governo vai economizar cerca de R$ 100 milhões.

Isso porque, na próxima terça-feira (10), venceria uma parcela de cerca de R$ 150 milhões. Com a renegociação, o Executivo pagará, até o final do ano, cerca de R$ 40 milhões. Os valores irão melhorar o fluxo do caixa e garantir o pagamento de dívidas com fornecedores e até criar “caixa” para pagar salário e 13º dos servidores públicos.

“Esse contrato é muito importante para ajudar o Estado de Mato Grosso a atingir o equilíbrio das suas contas. Deixaremos de pagar em 4 anos essa dívida e vamos alongar. Pagaremos em 20 anos, em suaves prestações”, explicou.

Ao lado da Diretora do Banco Mundial para o Brasil, Paloma Anos Casero, e de técnicos tanto do Governo Federal, quanto Estadual, Mauro Mendes aproveitou para “alfinetar” o ex-governador Pedro Taques (PSDB), que, em sua avaliação, não teria feito a “lição de casa”.

“Esse projeto começou lá em 2017. Está completando 3 anos. Mas infelizmente o Estado não conseguiu fazer a sua lição de casa. Por isso que durante 2 anos ele ficou parado porque o Estado não conseguiu apresentar ou cumprir as condições necessárias para que o Banco Mundial pudesse apoiar o Estado de Mato Grosso”, criticou ele.

A Diretora Paloma Anos Casero também fez uma declaração no vídeo divulgado pelo governador Mauro Mendes. Ela esclareceu que o interesse do Banco Mundial neste empréstimo é fazer com que Mato Grosso promova “reformas estruturantes”, citando nominalmente a área fiscal e o meio ambiente.

“O principal fator é o compromisso político do governador apoiar as reformas estruturais, tanto de recuperação fiscal quanto de apoio ao meio ambiente, que são agendas essenciais para a instituição do Banco Mundial, e que são essenciais para um desenvolvimento sustentável dentro do Estado de Mato Grosso”, esclareceu.

DIVIDA – A dívida com o Bank of America foi contraída pelo ex-governador Silval Barbosa em 2012 e por motivos alheios ao bom senso foi realizada em dólar e sem a fixação de uma taxa cambial que estivesse livre das variações do mercado. Em resumo, o Governo do Estado emprestou da instituição financeira US$ 478,9 milhões há seis anos – quando o dólar valia R$ 2,02.

Sem a fixação cambial, não prevista em contrato, a dívida – que deveria ser de R$ 967,37 milhões, considerando o dólar a R$ 2,02 -, subiria para R$ 1,94 bilhão considerando a cotação do dólar nesta sexta-feira (R$ 4,06).

Fonte: Diário de Cuiabá