Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

O senador Jayme Campos (DEM) não poupou críticas ao empresário Flávio Vargas (PSB), candidato à Prefeitura de Várzea Grande, em entrevista na manhã desta segunda-feira (28). Apoiando a candidatura de Kalil Baracat (MDB), o senador afirmou que Flávio colocou sua empresa em nome de um laranja, e que ele é “um dos maiores fraudadores do fisco”.

As críticas começaram quando Jayme foi perguntado sobre o que Flávio tinha falado à respeito da família Campos e da situação da água em Várzea Grande. “Isso não passa de desespero. E sobretudo não tem nenhuma autoridade. Ele vai ter que explicar de forma razoável a declaração dele no TRE, porque ele tem R$ 1 no imposto de renda, apresentado no TRE, e depois um pedido de empréstimo de R$ 1,5 milhão da Frical”, declarou Jayme.

“A Frical está em nome de seu Anizio Ortiz. Tem um processo da justiça federal, se não me falha a memória da quarta vara, que está sendo apurado o estelionato sendo praticado, sobretudo fraude junto ao fisco usando o cidadão, conforme palavras dos autos do juiz, dizendo que ele tem que provar que de fato não é dono da Frical. O que ele fez? Pegou um laranja, colocou todo o patrimônio dele fora do grupo Frical, e paga ao cidadão um salário [mínimo] e meio para ser laranja dele”, continuou Jayme.

O senador ainda completou: “é um despreparado, desqualificado, com todo respeito a ele, qual é o preparo, o compromisso dele? Ele parece estar fazendo uma lambança tão grande lá que quer transformar a Prefeitura de Várzea Grande num balcão de negócios, e não tem espaço para isso aqui. Por isso não estou preocupado coisíssima alguma com ele”, disse.

As críticas não pararam por aí. Jayme disse que Frical tem dezenas de ações trabalhistas de seus funcionários. “Não paga nem os pobres colaboradores de sua empresa, que hoje não é mais dele… está em nome de um laranja”.

“O juiz disse que o seu Flavio é um dos maiores fraudadores do fisco. Só na receita deve R$ 110 milhões de reais. Rouba a esperança das crianças, dos idosos, dos necessitados. Se não paga imposto, [o dinheiro não chega e o governo] não pode comprar remédio, não pode comprar merenda. Não dá nem pra discutir com ele, é muito insignificante pra mim, não tem estrutura nenhuma moral de querer falar da nossa biografia. Ele não tem nenhum pingo de respeito com o senador Jayme Campos”, disparou.

Outro lado

A reportagem tentou contato com a assessoria de imprensa de Flávio Frical, mas não obteve êxito até a publicação desta matéria.


FONTE: OLHAR DIRETO