Ato aconteceu na Praça Ulysses Guimarães — Foto: Lorena Segala/TVCA

Centenas de mulheres se reuniram no Dia Internacional da Mulher, comemorado nesse domingo (8), para protestar e cobrar Justiça pelas vítimas de feminicídio. O ato, organizado pela Associação de Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), aconteceu na Praça Ulysses Guimarães.

Ato aconteceu na Praça Ulysses Guimarães — Foto: Lorena Segala/TVCA

Na praça, foi colocado um varal com fotos de mulheres vítimas de violência. Em camisetas, faixas e cartazes elas exerceram o direito de protestar, cobrando igualdade e o fim da violência contra a mulher.

“Precisamos movimentar a sociedade, alertar e exigir que o estado tenha políticas públicas. Que a sociedade repense sobre suas práticas em relação às mulheres. Também temos muitos ataques em direitos que estão diretamente ligados à vida da mulher”, disse a organizadora da manifestação, Patrícia Acs.

Mulheres levaram filhas e netas para o ato — Foto: Lorena Segala/TVCA
Mulheres levaram filhas e netas para o ato — Foto: Lorena Segala/TVCA

A funcionária pública Luzia Melo fez questão de levar a neta para a manifestação. “O exemplo começa desde a infância, que a criança já vem buscando essa liberdade e busca pelos direitos”, ressaltou.

Fotos de vítimas de feminicídio foram colocadas em varal — Foto: Lorena Segala/TVCA
Fotos de vítimas de feminicídio foram colocadas em varal — Foto: Lorena Segala/TVCA

Conforme dados do Conselho Nacional de Justiça, Mato Grosso está entre os 13 estados com maior número de feminicídio no Brasil.

A média é de 6,4 mulheres assassinadas a cada 100 mil habitantes, acima da média nacional que é de 1,8.

Mulheres deram as mãos e cantaram durante a manifestação — Foto: Lorena Segala/TVCA
Mulheres deram as mãos e cantaram durante a manifestação — Foto: Lorena Segala/TVCA

Em 2019, 76 mulheres foram assassinadas em Mato Grosso, oito a mais se comparado a 2018, segundo a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp).

“No estado a luta é redobrada, mas a capacidade da gente resistir também é. Temos muita crença na nossa capacidade, união e solidariedade entre as mulheres”, avaliou outra organizadora do ato, Letícia Lacerda.

Para simbolizar a força e a união das mulheres todas deram as mãos e cantaram durante a manifestação.


Fonte: G1 MT